Anúncio com Código

Videoclipe da semana: Emicida “Boa Esperança”

Videoclipe da Semana, Videoclipes | 06 jul 15 - por João Paulo Porto
emicida boa esperanca

Risco não é uma qualidade geralmente associada ao cenário audiovisual nacional, mas de vez em quando aparece alguém mais ousado para dar uma apimentada nas coisas. Foi o que aconteceu no espetacular videoclipe de “Boa Esperança”, do rapper .  

-emicida-boa-esperanca

Emicida em cena de “Boa Esperança”.

Quem assistiu ao clipe de “Alright”, recém lançado pelo rapper , consegue relacionar o soberbo trabalho de direção de  com o clipe. Ambos expõem, com firmeza e competência, questões relacionadas a desigualdades sociais e o preconceito contra as minorias, em especial os negros. Um assunto complicado mas que merece toda a atenção, principalmente em países tão preconceituosos quanto o Brasil e os EUA.

VEJA TAMBÉM: Review: Kendrick Lamar – “Alright” já pode ser considerado o melhor clipe do ano

Os diretores João Wainer (Junho) e  (Cidade de Deus) em parceria entre o Laboratório Fantasma e a bigBonsai dirigiram o mais importante clipe do gênero desde A Minha Alma (a paz que eu não quero) 

A trama gira em torno de um grupo de empregados de uma mansão – em sua maioria negros -, que se rebelam após anos de abuso dos empregadores. O novo trabalho de Emicida é eficiente quando se concentra na dinâmica da intimidação dos mais fracos aos poderosos que fazem vista grossa aos preconceitos que contaminam aquele ambiente. Além disso, Wainer e Lund conseguiram extrair interpretações vigorosas dos seus atores. Aliás, o elenco conta com o próprio rapper, Domenica e Jorge Dias, filhos de , e a modelo Michelli Provensi. As moradoras da ocupação Mauá, em São Paulo, Divina Cunha e Raquel Guimarães Dutra e a mãe do músico, Dona Jacira, complementam o elenco.

A discriminação de cor aqui é debatida de forma vigorosa em todas as cenas. Contudo, o vídeo aborda também diversos tipos de violência como abuso sexual, preconceito por conta de tranças e penteados afros e intolerância com as religiões afro-brasileiras. O videoclipe ainda serve para reforçar constantemente a complexidade da raiz deste mal que ainda persiste em nossa sociedade e confere uma visão especial sobre o preconceito racial de uma forma corajosa e pouco explorada pelo cenário musical nacional. 

João Paulo Porto
João Paulo Porto

Fundador do 1001 Videoclips e louco por The Smiths