Para Ver Antes de Morrer: 62. Supertramp | Better Days

Anos 80, Para Ver Antes de Morrer | 12 dez 18 - por João Paulo Porto
Supertramp - Better Days

Depois de uma série de obras primas – Crime of the Century (1975), Even in the Quietest Moments (1977) e o blockbuster Breakfast In America (1979) –  com o álbum Brother Where You Boundde 1985, o Supertramp sob o comando de Rick Davies, após a saída de Roger Hodgson, toma uma nova direção, mais espetacular em termos de material promocional e desenvolve mais vídeos musicais. Este álbum teve três, um para “Cannonball“, um segundo para a faixa-título e “Better Days”, que é o melhor do grupo. Uma reflexão sobre o passado e o futuro, e também a então presente década de 1980 que está em todo o lugar, mas nunca perdendo importância ou significado.



O personagem central é um jovem do início do século XX. Convidado por alguns indivíduos peculiares a ter um vislumbre do futuro, viajando no tempo e acompanhando o progresso da tecnologia. Ele sonha com possíveis perspectivas positivas de vida, mas durante a maior parte da jornada é confrontado por imagens que não ilustram melhores dias para a humanidade, já que as relações humanas não mudaram nas décadas seguintes com novas guerras, corrupção política e outras catástrofes.

Para os amantes do videoclipe ou cinema, não há muita novidade sobre o conceito explorado em “Better Days”: no entanto, o clipe nos faz questionar os tempos em que vivemos e os tempos em que viveremos, e com essa ideia em mente, sempre vem a mesma reflexão desgastada que não muda muito. Passamos por tragédias, crises, terrorismo, desemprego, escândalos políticos e outras coisas que bloqueiam nosso potencial humano e desenvolvimento, ao mesmo tempo em que há progresso nas artes, nas ciências, na tecnologia, na qualidade de vida, etc.; e é difícil definir se a vida e as pessoas estão realmente evoluindo ou apenas retrocedendo.

Steve Barronfez deste projeto um especial, memorável e evocativo sobre o tempo e sua importância, sempre escapando como areia através de nossas mãos. Visualmente falando, é um pouco barato, pouco desenvolvido, longe de seu clipe revolucionário “Take On Me“, mas há momentos especiais como a transição do preto e branco para a cor quando o menino é transportado para este túnel do tempo. 

Quanto ao som da música, o Supertramp traz uma ótima abordagem de rock progressivo, é uma música bastante cativante, mas longe de ser um sucesso como os que eles produziram durante seus dias de Crime of the Century ou Breakfast in America. Com “Better Days” Barron conseguiu fazer um clipe promocional que vendeu a música de uma forma ótima e eficaz.

Diretor: Steve Barron | Ano: 1985

 

 

João Paulo Porto

Criador do site 1001 Videoclips e apaixonado por The Smiths.