Para Ver Antes de Morrer: 87. Pet Shop Boys | Being Boring

Anos 90, Para Ver Antes de Morrer | 27 mar 19 - por João Paulo Porto

“Being Boring” foi o segundo single de Behavior (1990) – provavelmente o melhor álbum do Pet Shop Boys, produzido por Harold Faltermeyer e com colaboradores como Johnny Marr, o Balanescu Quartet e o compositor de trilhas sonoras Angelo Badalamenti. “Being boring” não é só uma das 5 melhores canções como seu videoclipe é o melhor da carreira dessa brilhante dupla de música pop britânica. 

Acompanhando a melodia pura, delicada e bela, Chris Lowe sublinha as letras com o som sintetizado de uma harpa, um efeito semelhante ao utilizado pelos filmes nos anos 30 e 40, quando um flashback começava. Tennant, mais do que cantar, é uma espécie de narrador, sussurrando sua história autobiográfica no ouvido do ouvinte. As letras começam com a lembrança de uma festa em Newcastle, a cidade onde ele e seu amigo nasceram, o convite para o qual citou Zelda Fitzgerald, escritora e esposa do autor de The Great Gatsby, ambos ícones dos anos 20. E então vem o coro, a sublimação perfeita da juventude, de um jovem embelezado e sonhador:

Sabendo que haviam escrito uma música excepcional, Tennant e Lowe se voltaram para o homem que dois anos antes convertera a decadência de Chet Baker em um dos mais belos poemas da história do cinema: o documentário Let’s Get Lost (1988). Eles já o haviam chamado para dirigir o vídeo para “Domino Dancing” (1988), mas Bruce Weber estava muito ocupado naquela época. “Você nunca sabe se as imagens dele vêm do presente ou do passado”, disse Neil Tennant.

O diretor sabe conferir uma qualidade onírica e atemporal aos seus trabalhos em preto e branco. Weber organizou uma festa cheia de modelos que durou um dia (entre os festeiros estava uma das filhas de Robert de Niro, Drena), durante a qual o videoclipe foi filmado. O resultado é A FESTA, em letras maiúsculas: a festa que todos nós gostaríamos de ter sido convidados. É tão perfeito que provavelmente nunca existiu. Mas isso é exatamente o que fazemos com algumas de nossas memórias de juventude, não é? Nós apenas nos lembramos dos belos pedaços. E é disso que “Being Boring” é, afinal de contas: apenas lembrar das lindas memórias.

No início do videoclipe, os Pet Shop Boys assinam um texto manuscrito no qual explicam que as letras são sobre os ideais que você tem quando é jovem e como eles surgem quando você cresce. Se não fosse essas imagens, o clipe corria o risco de parecer uma campanha publicitária estilizada ou teria uma espécie de apelo homoerótico. Fotografado em um belíssimo preto-e-branco que emprega uma grandiosa sensação de verdade e cheio de energia, este é um clipe que consegue ser simultaneamente nostálgico e contemporâneo, fazendo jus ao magistral trabalho do PSB. 

Diretor: Bruce Webber | Ano: 1990

 

João Paulo Porto

Criador do site 1001 Videoclips e apaixonado por The Smiths.