Para Ver Antes de Morrer: 72. Fiona Apple | Criminal

Anos 90, Para Ver Antes de Morrer | 20 fev 19 - por João Paulo Porto

Quando Fiona Apple lançou seu disco de estreia – o fabuloso Tidal – tinha apenas 18 anos. E muito do material que a cantora escreveu continha uma profundidade lírica e musical típica de artistas com muitos anos de composição profissional. Em Tidal, Apple ofereceu uma combinação irresistível para a indústria da música pop, incluindo uma voz profunda e estilo musical que mesclava jazz com rock agressivo.

Mas quem roubou a cena e ainda é o acontecimento mais marcante da carreira é o polêmico e controverso videoclipe de “Criminal”, uma canção que resume bem seu estilo brilhante e pensativo. Tinha um refrão matador, colocou a Apple em algum lugar entre Tracy Chapman e Alanis Morissette e fez dela uma estrela maior do que poderia suportar.

Na época, Apple descreveu “Criminal” como uma música sobre o perigo do uso da sexualidade para conseguir o que quer: sexo, poder, atenção. Infelizmente, o videoclipe parecia contar outra história completamente diferente: uma Apple de aparência magra – como uma “modelo da Calvin Klein subnutrida”, segundo o New York Times -, nua na banheira, se enroscando entre homens e mulheres semi-nus e indiferentes. Ela encara a camera com seus olhos vermelhos – numa referência a heroína – como uma ninfeta sexual incorporando a imagem falsa que ela pretendia combater.

Em entrevista após o lançamento, Apple admitiu sentir-se desconfortável com as críticas, mas não por causa das imagens. “Eu decidi que se era para a minha imagem ser explorada, eu mesma iria me explorar”, afirmou em 1997.

O videoclipe foi dirigido por Mark Romanek (“Scream”, “Hurt”) que aplica um estilo sombrio e pseudo-amador (à la Terry Richardson) para explorar os temas do voyeurismo e da adolescência de forma exagerada. Mas foi sua imagem corporal que lhe deu a fama de artista controversa. E ela sabia disso tanto que, quando subiu ao palco no MTV Video Music Awards de 1997 para aceitar sua estátua de Melhor Novo Artista, ela exclamou: “Este mundo é uma merda!”.

Diretor: Mark Romanek | Ano: 1997

João Paulo Porto

Criador do site 1001 Videoclips e apaixonado por The Smiths.