Para Ver Antes de Morrer: 53. Adam & The Ants | Prince Charming

Anos 80, Para Ver Antes de Morrer | 25 nov 18 - por João Paulo Porto

Um clássico exemplo de videoclipe inseparável da música. O próprio Adam Ant admitiu que “Prince Charming”, que alcançou o número um no Reino Unido em 19 de setembro de 1981, não pôde ser entendido corretamente sem o vídeo.

Para muitos, esse fato só serviu para sublinhar a impressão de que a música de Adan & The Ants era essencialmente superficial. Ironicamente, a sua discografia até agora foi marcada por integridade e bons registros. O cantor inglês não só renunciou o grupo retro Bazooka Joe para formar sua própria banda inspirado pelos Sex Pistols, como tinha feito um pop convencional e pungente como “Dog Eat Dog” e “Kings of the Wild Frontier” de tais influências díspares como os tambores do país africano Burundi, à mitologia nativa americana e a guitarra no estilo do grupo The Shadows.



Com “Prince Charming”, sua visão única abrangia os contos de fadas. O protagonista da música era um pobre andarilho apadrinhado por uma fada madrinha que o transformou em um dândi e que – de uma maneira anacrônica – lhe dera um carro novo. Nada disso é dito na música, uma ladainha de frases do tipo “Ridiculous is nothing to be scared” (não há o que temer em ser ridículo). No final da gravação, os sons parecem sem sentido. No vídeo eles revelam o acompanhamento dramático de Ant disfarçado de personagens diversos como um Clint Eastwood, um rock star ou até mesmo Rodolfo Valentino.

De um recurso dedicado à mera promoção de uma música, o vídeo chegou ao ponto em que poderia complementar a imagem sugerida apenas pela música. E isso fez muita diferença na época. Aos poucos, outros artistas começaram a entender que música e imagem juntos poderiam elevar o sentido da canção a outros patamares. “Sweet Dreams” do Eurythmics assim como “Take On Me” do a-ha, são canções que não poderiam ser melhor absorvidas sem seus clipes, hoje, clássicos. E o que dizer de “Singles Ladies” de Beyoncé?

Adam & The Ants obteve pouco sucesso nos EUA até a chegada da MTV. Muito de seu sucesso foi resultado de seu carismático vocalista e os visuais impressionantes que ele apresentava em seus clipes. Havia muitos canais de vídeos pela Europa, e o clipe do “Prínce Charming” era muito popular. Os figurinos foram inspirados na Revolução Francesa e o visual de Adam Ant foi baseado em um dândi francês daquela época, que gostava de se exibir entre as pessoas.

Ant era um estudante de arte gráfica e acreditava que os visuais eram uma grande parte de sua apresentação. “Eu criei este tema depois de pesquisar modas históricas na biblioteca de Londres.” Isso pode ser visto como uma metáfora para sua vida, quando ele passou de uma figura de culto para um superstar depois de se transformar em uma nova imagem.

A fada foi interpretada por Diana Dors, que era uma estrela popular britânica nos anos 50 e 60. Ant fez um apelo pessoal a Dors, que ao aceitar sua oferta, tornou-se a primeira estrela de cinema a aparecer em um videoclipe. Dors morreu em 1984 aos 52 anos.

Diretor: Adam Ant | Ano: 1981

João Paulo Porto

Criador do site 1001 Videoclips e apaixonado por The Smiths.