Os 25 Melhores Videoclipes Internacionais de 2015

Listas | 28 dez 15 - por João Paulo Porto
Kendrick-lamar

Bowie voltou mais surreal do que nunca, Rihanna quebrou a internet e Björk está triunfante. No entanto, outros artistas provaram que você não precisa gastar uma fortuna para fazer um clipe incrível, tão bom quanto uma boa música. Selecionamos os melhores videoclipes de 2015, para ver antes que o ano acabe. Divirta-se! 

video-clip

25. Joanna Newsom, “Divers” (Dir. Paul Thomas Anderson)

O diretor de cinema Paul Thomas Anderson (Boogie Nights, Sangue Negro e Magnólia) dirigiu esse vídeo musical de sete minutos tão cinematográfico quanto belo.  Nele, joanna Newsom flutua, por trás de paisagens assustadoras enquanto canta sua belíssima “Divers”. 

24. Rihanna, “Bitch Better Have My Money” (NSFW) (Dir. Rihanna & Megaforce)

Um dia, as sociedades futuras construirão estátuas da Rihanna encharcada de sangue. Tudo por causa dele clipe que quebrou a internet em 2015.  

 

23. The Chemical Brothers, “Sometimes I Feel So Deserted” (Dir. Ninian Doff)

Os Chemical Brothers sempre encomendam clipes fabulosos. E com este não é diferente. Um Mad Max encontra The Walking Dead com um final perturbador. 

 22. Radkey, “Glore” (Dir. Nicos Livesey)

O velho e camarada stop-motion combinado com a estética visual do Claymation ganha ares novos neste clipe bonito do Radkey para a canção “Glore”. Merecia mais reconhecimento pela perfeição dos detalhes e o ritmo das cenas. 

 

21. Courtney Barnett, “Pedestrian at Best” (Dir. Charlie Ford)

Os quatro minutos mais empolgantes do rock em 2015 ganha um tratamento visual à altura: Barnett brinca de ser a Palhaça do Ano. Felizmente, sua “crise existencial” tem um final um pouco satisfatório, porque os perdedores sempre riem por último. 

 

20. Taylor Swift f/ Kendrick Lamar, “Bad Blood”  (Dir. Joseph Kahn)

Quanto deslumbre para um clipe caríssimo mas muito pouco aproveitado. Mesmo assim, “Bad Blood” está à anos-luz das mega-produções atuais. 

 

19. Sleater-Kinney, “A New Wave”

Uma bela animação que combina duas das minhas coisas favoritas: Sleater-Kinney e Bob’s Burgers. O video mostra a banda tocando no quarto de Tina Belcher, de 13 anos. Todo mundo está pulando para cima e para baixo, o que, sim, é praticamente o tipo de atitude que se espera das músicas do Sleater-Kinney. Vida longa ao rock n´roll! 

 

18. Sia, “Elastic Heart” (Dir. Sia & Daniel Askill)

Depois do furacão que foi “Chandelier”, mais uma vez, o trio Sia, Daniel Askil e Maddie Ziegler acerta ao nos brindar com o clipe emotivo de “Elastic Heart”. Desta vez, com a brilhante interpretação de um dos melhores atores da nossa geração: Shia LaBeouf

 

17. Royal Blood, “Out Of The Black” (Dir. David Wilson & Christy Karacas)

Animações psicodélicas hiperviolentas como esta, são raras de encontrar. Graças ao prodígio da direção, David Wilson que nos presenteou com este clipe incrível, para uma das melhores faixas do debut do Royal Blood

 

16. U2, “Song For Someone” (Dir. Vincent Haycock)

A melhor razão para essa música de U2 existir: uma desculpa para ver Woody Harrelson falar sobre perda e arrependimento em um clipe longo e belo.

 

15. Tame Impala, “Let It Happen” (Dir. David Wilson)

O que era para mais uma viagem a negócios, se transforma no maior pesadelo do nosso protagonista. E sem final feliz. Um clipe intenso feito para refletir sobre o verdadeiro sentido da vida. 

 

14. Stromae, “Quand C’est?” (Dir. Xavier Reyé)

Esbanjando o uso de silhuetas, Stromae traz uma composição visual angustiante que complementa muito bem o pesadelo que é ter câncer. 

 

 13. FKA twigs, “Glass & Patron” (Dir. FKA twigs)

FKA twigs já provou ter um talento extraordinário para música e dança que, de alguma forma, seu clipe de Glass & Patron” não é completamente uma surpresa. Mas o fato dela nos entregar uma batalha de moda conceitual torna mais claro de que – visualmente falando – estamos diante de uma nova Bjork

 

12. Drake, “Hotline Bling” (Dir. Director X)

O vídeo que lançou Drake definitivamente ao estrelato, se transformou na maior fábrica de memes e GIFs de 2015.

 

 11. Thundercat, “Them Changes” (Dir. Carlos Lopez Estrada)

Poucas coisas nesta vida são mais dolorosas do que nunca ser capaz de exercer sua paixão novamente. Este vídeo surreal tem um significado literal, como acompanhamos o samurai que perdeu os braços, tragicamente em uma batalha, se sentindo preso e forçado a ser um fardo para o resto de sua vida.

 

 10. Grimes, “Flesh Without Blood/Life in the Vivid Dream”

Dividido em duas partes, o clipe possui uma variedade de figurinos elaborados, incluindo uma Marie Antoinette com uma grande peruca roxa e uma roupa com asas de anjo com um cowboy rosa e lentes de contato brancas. Mas quem rouba a cena é o magnetismo e atitude anarquista de Grimes que escreveu, editou e dirigiu tudo com seu irmão Mac Boucher como diretor de fotografia e consultor criativo.

 

 09. Kanye West, “Only One” (Feat. Paul McCartney) (Dir. Spike Jonze)

Provavelmente, o melhor diretor de música e vídeo de todos retorna para nos presentear com este simples e emotivo clipe, sobre o quanto Kanye West ama sua filha.

 

08. Tame Impala, “The Less I Know the Better” (Dir. Canada)

Tame Impala mistura dança, basquete e gorila no clipe amalucado de “The Less I Know the Better”. Como é de costume na estética da banda, o clipe envolve passagens psicodélicas, abundância de cores e cenas sem sentido. 

 

07. Run The Jewels, “Close Your Eyes (And Count To Fuck)” (Feat. Zach De La Rocha) (Dir. AG Rojas)

Este vídeo monocromático, do duo de hip-hop mais comentado em 2015, descreve nas mãos do diretor AG Rojas, a brutalidade policial sangrenta dos EUA, onde violência é norma e racismo é extremo. Uma realidade não muito diferente da nossa. Infelizmente. 

 

06. Björk, “Black Lake” (Dir. Andrew Thomas Huang)

Uma lista dos melhores do ano sem Bjork, impossível. Desta vez, a islandesa nos entrega um desfile de clipes belos de seu elogiado e pessoal Vinilcura. Em “Black Lake”, Björk passa por tormentas para no final encontrar a renovação. Ela expõe fases do fim de casamento com letras humanas e som alienígena e confirma: Björk também é gente.

 

 05. Donnie Trumpet & the Social Experiment, “Sunday Candy” [ft. Chance the Rapper] (Dir. Austin Vesely, Ian Eastwood & Chance The Rapper)

Chance The Rapper escreveu uma música de amor para sua avó, e para o clipe, ele encenou este musical de escola secundária gravada em uma única tomada. É de tirar o fôlego. 

 

 04. Vince Staples, “Señorita” (Dir. Ian Pons Jewell)

O final inesquecível transforma este clipe em uma metáfora visual para a redenção. O vídeo se centra em torno do homem tatuado, presumivelmente um ex-convicto nascido em uma vida de sexo, drogas e crime que está buscando uma nova vida. Com a religião como seu princípio orientador, ele caminha entre um grupo de indivíduos que também estão seguindo o ideal. Infelizmente, no final do vídeo, o homem tem uma percepção súbita: que a vida que ele queria desesperadamente é impossível de alcançar. As circunstâncias de seu nascimento e o ambiente político, social e econômico que o rodeia criaram uma “barreira física” para a entrada. Sua tristeza se transforma em frustração, e sua frustração se transforma em ódio. Não importa o quanto ele tenha sacrificado, ele nunca levará a vida ideal que deseja.

 

03. David Bowie, “Blackstar” (Dir. Johan Renck)

É sempre bom ver lendas do rock retornando em boa forma. David Bowie, não só lançou um dos álbuns mais interessantes do ano como também nos entregou o videoclipe mais belo, intenso e estranho do ano, mesmo que não saibamos o que está acontecendo ali dentro.

 

 02. M.I.A.,  “Borders” (Dir. M.I.A.)

Em 2015, os políticos mais imundos da América estavam tentando criar uma tensão anti-imigração, M.I.A. vem em contra-mão, claro, e faz este poema visual sobre a luta de pessoas que são forçadas a se mudar. E ela faz com que fique excitante. Isso também importa.

 

 01. Kendrick Lamar: “Alright” (Dir. Colin Tilley)

Podemos, e provavelmente devemos, conversar o dia inteiro sobre todos os possíveis significados que pairam em torno desta obra-prima do Kendrick Lamar. O clipe de estilo noir incorpora as tensões policiais e civis que se tornaram assunto na América atual. No entanto, Lamar consegue celebrar com um coro que repete: “Nós vamos ficar bem”. É um clipe sério que deve ser prestigiado no seu todo. 

 

 

E o pior videoclipe do ano vai para….

CARIBOU – “Can’t Do Without You”

Na minha opinião, esta é uma das melhores canções de 2014 mas o clipe, que foi lançado só em Abril de 2015 é um desperdício. Mal aproveitado, a canção poderia render um clipe bem mais psicodélico e interessante do que este. Enfim…

João Paulo Porto

Criador do site 1001 Videoclips e apaixonado por The Smiths.