Para Ver Antes de Morrer: 39. Nine Inch Nails | Closer

Anos 90, Para Ver Antes de Morrer | 22 out 18 - por João Paulo Porto

É impossível ignorar a importância de “Closer” tanto no nível musical quanto cultural. A qualidade da música em si já teria garantiria que seria um sucesso, mas o vídeo elevou o sucesso da faixa do Nine Inch Nails a outro nível. Alguns criticaram por suas imagens religiosas, outros por suas perversões sexuais. Seja qual for a controvérsia, não havia clipe em 1994 que fosse mais polêmico e arrasa-quarteirões que este, dirigido pelo gigante Mark Romanek

O clipe veio numa época em que grandes diretores como David Fincher, Michel Gondry, Spike jonze e Romanek se destacavam pelas super produções, muita liberdade criatividade e ousadia que resultou em uma época de ouro para o formato.

Para o clipe, o diretor utilizou uma câmera de 1919 – isso mesmo que você leu – para causar aquele efeito envelhecido e angustiado que tanto amamos. O diretor afirmou que escolheu esta estética para poder adquirir um resultado mais artístico.  

O clipe é um desfile de cenas surreais de S&M, tingidas de um atmosfera de terror pouco alcançada em clipes anteriores. Entre as deliciosas imagens, há aquele coração desencarnado que pulsa numa cadeira; a cabeça giratória de um porco; o vocalista Trent Reznor pendurado em uma corrente de couro preto e quase lambendo o mamilo do microfone. Tem até pedaços de carne que parecem asas de anjos; e para o desespero dos mais assépticos, crânios e baratas por todos os lados.




Mas quem verdadeiramente rouba a cena são duas figuras inusitadas: a primeira é aquele macaco crucificado que só  aumenta a insinuação de terror latente e perversão impensável; Em seguida temos a esquisita garota pelada que gosta de girar ovos em seus dedos. Quanto ao macaco, Romanek insistiu que nunca foi houve maus tratos, e que um representante da ASPCA estava no set para garantir sua segurança.

No ano seguinte, o diretor David Fincher utilizou um remix da canção e os horrores do vídeo para os créditos de abertura de seu filme Seven, cujo serial killer apaixonado por Deus se sentiria em casa, ao ver o clipe. 

“Closer” é uma rara exceção no mercado. O clipe totalmente NSFW conseguiu a proeza de passar na MTV e se tornar um grande hit pop. O clipe de terror pop mais assustador de todos os tempos surgiu numa época em que o YouTube não existia. E quase não aconteceu. A MTV acabou negociando com o diretor e uma edição “suave” foi exibida a exaustão.

Assim como a música, o vídeo é cru, perturbador e completo. “Closer” foi o primeiro vídeo que parecia como se seus criadores realmente soubessem como é que faz um verdadeiro videoclipe, e também tinha um senso de história, de cultura e até do autoconhecimento.




Eles beberam de estilos e conceitos de vários artistas contemporâneos, entre eles Man Ray, Joel-Peter Witkin e o Brothers Quay, ainda que apenas como um ponto de partida. Independentemente de quanto da sensibilidade é “emprestada”, depois de mais de 20 anos de seu lançamento, “Closer” ainda é um dos melhores videoclipes de todos os tempos.

Direção: Mark Romanek | Ano: 1994

João Paulo Porto

Criador do site 1001 Videoclips e apaixonado por The Smiths.