Anúncio com Código

Para Ver Antes de Morrer: #299. Jeff Buckley | Hallelujah

Para Ver Antes De Morrer, Videoclipes | 08 nov 15 - por João Paulo Porto
jeff-buckley_-c-david-gahr_wide-65df48cccb67074f81c50824e17a6e706c0370df-s900-c85

Jeff Buckley é uma gota cristalina num oceano de ruídos”. Essa citação famosa de  do , define perfeitamente o músico e compositor americano que ganharia o mundo em 1994, com a versão definitiva de um clássico de Leonard Cohen.

jeff-buckley-hallelujah

Jeff Buckley, um anjo enviado pelos céus para cantar “Hallelujah”. 

Na voz de Buckley, “Hallelujah” era um cântico sublime e sensual “sobre sexo, sobre amor, sobre a vida na terra. Hallelujah não é uma homenagem a uma pessoa, a um ídolo ou a um deus, mas ao orgasmo. É uma ode à vida e ao amor”, nas palavras de Jeff.  A letra que duela entre a religião e a sexualidade é perfeita e imaculada e ganhou milhares de interpretações de diversos artistas como  e . Porém, foi a gravação de Buckley que se tornou definitiva e continua emocionando gerações. O videoclipe, basicamente construído com imagens de uma performance em estúdio, é tão belo e profundo que chega a ser insuportavelmente triste e dilacerante.

jeff-buckley-hallelujah

“A sensibilidade não é uma fraqueza. Tem a ver com estar tão dolorosamente atento que mesmo uma pulga pousando sobre um cão soaria como uma explosão sonora.” – Jeff Buckley, 1994

Em sua extraordinária performance no videoclipe, é possível observar uma voz limpa e calorosa embalando nossos ouvidos de forma particular e sentimental. Seu rosto fino e angelical é focado pela câmera em vários ângulos que mostram um homem imensamente cool, poético, de charme terno e solitário. A iluminação pesada e escura acrescenta um tom sombrio, angustiante e claustrofóbico que evoca (contrastantemente) paz e a serenidade dos valores introspectivos.

Buckley demonstra seu talento, criando uma atmosfeta de grande tensão e comtemplação e ajudou a transformar a versão de Cohen (gravada originalmente em 1984) em um clássico cult instantâneo. Arrisque assistir ao clipe após ingerir LSD e você não verá um homem e sim um anjo enviado pelos céus para ser contemplado pelos reles mortais.

Dá um aperto no coração ver Buckley cantando tranquilamente “Well, maybe there’s a God above / But all I’ve ever learned from love / Was how to shoot somebody who outdrew ya”, sendo que alguns anos depois fomos surpreendidos com a notícia de sua morte por afogamento, aos 30 anos (espelhando também o falecimento precoce de seu pai, o também cult Tim Buckley).

Mal sabia ele que “Hallelujah” se tornaria seu maior feito.

Diretor: Desconhecido | Ano: 1994

 

João Paulo Porto
João Paulo Porto

Fundador do 1001 Videoclips e louco por The Smiths