Anúncio com Código

A Hiper-Sexualização Da Mulher Nos Videoclipes

Artigos, Videoclipes | 11 ago 14 - por João Paulo Porto
robin-thicke-blurred-lines-ft-t-i-pharrell

A organização não governamental End Violence Against Women (EVAW) publicou em seu site oficial um artigo muitíssimo importante sobre a relação entre a violência contra a mulher e os videoclipes. No artigo, escrito juntamente com a Imkaan e Object, duas das mais importantes ONGs de defesa da imagem e proteção da mulher, aponta que os videoclipes estão repletos de racismo e sexualizações. 

"Robin Thicke Tem Um Pinto Grande" são os dizeres da imagem acima.
“Robin Thicke Tem Um Pinto Grande” são os dizeres da imagem acima.

Na entrevista dada para o programa John Peel Lecture  “Women In Music“, a cantora galesa Charlotte Church dá a seguinte afirmação:

Eu gostaria que você imaginasse um mundo onde os músicos do sexo masculino devessem regularmente atuar como objetos sexuais submissos das mulheres. O marido da Beyoncé, Jay Z, despojado de um biquíni, como um sex gatinho passeando por um boulevard como um objeto de prazer para as mulheres. Ou o ex da Britney Spears, Justin Timberlake, com calças Denim, andando sobre o capô de um Chevy rosa, explicando ao seu público como ele gostaria de ser seu Sonho Adolescente … estes são papéis que a indústria da música tem esculpido especificamente para mulheres.

Esta é exatamente a questão levantada no artigo ‘PORNOGRAPHIC PERFORMANCES’: A REVIEW OF RESEARCH ON SEXUALISATION AND RACISM IN MUSIC VIDEOS A”Pornographic Performances”: A Review Of Research On Sexualisation And Racism In Music Videos (Performances pornográficas: Uma análise do artigo sobre sexualização e racismo nos videoclipes – em tradução livre) sobre como centenas de videoclipes abordam as mulheres apenas como objetos sexuais e infinitamente “disponíveis” enquanto os homens são retratados como tendo o “poder e o domínio”. E mais grave ainda, como as mulheres negras são tratadas de forma hiper-sexualizadas – a câmera geralmente foca no traseiro destas e as mostra como aberrações sexuais.

Calvin Harris e uma das beldades que desfilam no clipe de "Summer"
Calvin Harris e uma das beldades que desfilam no clipe de “Summer”

O estudo também descobriu evidência de que aqueles que vêem esses vídeos estão mais propícios a tolerância associada à essas atitudes racistas, sexistas e até mesmo ao estupro.

A organização aponta que é preciso visar a proteção dos jovens que assistem a esse tipo de video, pressionando os líderes da indústria da música, reguladores de mídia e políticos recomendações para a mudança. Uma das atitudes sugeridas seria considerar urgentemente a introdução de classificações etárias obrigatórias para vídeos de música.

A lista de clipes não é nem de longe, pequena e podemos citar alguns dos clipes mais chocantes dos últimos tempos que incitam racismo e sexismo, como prova de que o estudo, infelizmente está longe de ser uma farsa.

No infográfico abaixo, listamos alguns dos clipes citados no estudo e entenda porque eles são considerados tão ameaçadores para a imagem da mulher.

 

João Paulo Porto
João Paulo Porto

Fundador do 1001 Videoclips e louco por The Smiths

  • concordo plenamente e acho muito triste essa decadência. fikei muito feliz de ver essa matéria. era isso mesmo que sempre pensei.

    • São clipes que geralmente mostram as mulheres apenas como objetos sexuais e na maioria das vezes o próprio telespectador nem percebe.