Anúncio com Código

Grandes diretores de videoclips | David Fincher

Diretores | 31 jan 12 - por João Paulo Porto
ff_fincher2b_f

David Andrew Leo Fincher (nascido em 28 de agosto de 1962) em Denver, no Colorado, é um diretor norte americano de filmes e vídeos musicais conhecido por seus “thrillers” inteligentes, como Seven (1995), The Game (1997), Clube da Luta (1999), O Quarto do Pânico (2002), e Zodíaco (2007). Fincher foi indicado ao Oscar de Melhor Diretor por seu filme de 2008 O Curioso Caso de Benjamin Button e seu filme de 2010 A Rede Social, que também lhe rendeu o Globo de Ouro e o BAFTA de Melhor Diretor.

“Express Yourself” apresentava uma Madonna poderosa, dona de seu próprio destino. um dos videoclipes mais caros de todos os tempos.

David Fincher começou a fazer “filmes” aos 8 anos de idade, quando brincava com a câmera de seus pais. Em 1980 viu O Império Contra Ataca de George Lucas. Foi esta experiência que o fez olhar de outra maneira para o cinema e ajudou-o a encontrar o seu próprio estilo. Começou a trabalhar numa empresa de animação, e aos 18 anos foi trabalhar para a “Industrial Light and Magic – ILM” do próprio George Lucas onde ficou por pouco tempo. Nesse período teve a oportunidade de trabalhar em O Retorno de Jedi (1983) e Indiana Jones e o Templo da Perdição (1984).

“Vogue”, mais um trabalho envolvente e extraordinariamente influente, Ficher acerta em cheio ao homenagear as musas do passado na pele da musa Madonna.

Deixou a ILM aos 21 anos para fazer publicidade; o seu primeiro trabalho foi para a American Cancer Society. Que mostrava um feto fumando um cigarro LINK. A ousadia da ideia,o perfeccionismo na realização e a capacidade de defender o seu ponto de vista fizeram com que, em pouco tempo, ele fosse o nome preferido nas empresas de publicidade.

O videoclipe de “Janie´s Got A Gun” Fincher inovou na época, ao apresentar cenas realistas e horríveis de incesto e estupro, que seriam imitadas em muitos vídeos posteriormenteMas a sorte bateu-lhe à porta com o argumento de Andrew Kevin Walker para “Seven” (1995), que deu a Fincher a aclamação da crítica que ele precisava para se afirmar como realizador. Impulsionado, parcialmente pelo poder midiático de Brad Pitt, este filme deu a Fincher uma boa posição para futuros trabalhos em Hollywood. Em 1997, David Fincher fez o seu terceiro filme, Vidas em Jogo com Michael Douglas.

Altenava os trabalhos sérios com outros mais artísticos. Para cada comercial de TV, fazia vários videoclipes de artistas que admirava ou que o instigava. Esses clipes vocês viriam em artistas como os do Aerosmith, Madonna, Paula Abdul e Rolling Stones, seis dos quais chegaram ao Top 100 da MTV em recente eleição dos 100 melhores do século. Como realizador de longas-metragens estreou em Alien 3 (1992). Infelizmente o filme não foi uma experiência agradável para Fincher, que passou um mau bocado com a equipe da 20th Century Fox. Além disso, o filme não foi bem recebido pela crítica nem pelos fãs da saga. Esta má experiência fez com que Fincher recuasse para a publicidade e clipes.

“Freedom 90” era o um hino de liberdade de GM e seu videoclip marcou época ao apresentar lindas top models no auge de suas carreiras, a exemplo de Linda Evangelista (foto) e Naomi Campbell. A ótima direção de Fincher é um espetáculo à parte.

Com Seven (1997) e Clube da Luta (1999), além de amadurecer o seu estilo, os longa-metragens provocaram grandes polêmicas devido ao seu conteúdo violento e personagens “anti-sociais”. Apesar de toda polêmica e da fraca bilheteria (o filme não conseguiu reverter seus custos de produção nos cinemas), seu lançamento em VHS e DVD foram estrondoso, sendo um sucesso absoluto de vendas e mudaram a estética dos filmes americanos nos anos 90. Que já vinham testados nos videoclipes em teste de experimentação.

Como diretor de videoclipes, Fincher surpreendia a cada trabalho, com sua visão com tamanha dedicação e persistência que deixou uma marca permanente, estética e artisticamente superior. Paradoxamente, Fincher se estabilizou como o grande diretor de sua geração e encanta platéias mundo afora com superproduções hollywoodianas dignas de nota.

“Nós estamos destinados a ser os caçadores e nós estamos em uma sociedade de compras. Não há nada mais para matar, não há nada para lutar, nada para vencer, nada para explorar.”
João Paulo Porto
João Paulo Porto

Fundador do 1001 Videoclips e louco por The Smiths