Anúncio com Código

Divulgação: O clipe de “A África Me Fez” do MC Ralph e o COLETIVO

Mostre Seu Clipe, Videoclipe | 31 jan 15 - por João Paulo Porto
B323QrOIUAABdTv.jpg-large

MC Ralph é rapper, jornalista, pesquisador musical, e compositor. É MC desde 1999, e já lançou cinco álbuns (“No fundo do baú”, “Dá-me licença”, “Os Afro-raps”, e “Lua Branca e Céu Azul”, “Ouve quem quer escutar”). É conhecido pela arte do Freestyle (repente do rap) e é campeão da batalha de MCs do prêmio Hutuz (maior premiação de rap no país). Militante do movimento Hip Hop no Vale do Paraíba-SP; busca preservar esta cultura, quebrando preconceitos e mostrando um trabalho inovador.

Seu trabalho explora uma vertente afro brasileira muito rica em ritmos e balanço. Em 2014, MC Ralph lançou uma coletânea dos sons que marcaram sua caminhada, chamada: “15 de RAP, 30 de VIDA” e agora, junto com o COLETIVO, busca apresentar uma sonoridade mais orgânica (banda + DJ). Extrapolando as personalidades individuais o Coletivo amplia o conceito e os desdobramentos do rap brasileiro.

MC Ralph com seu novo projeto COLETIVO, aproveitou a gravação da primeira música da Banda, para gravar também o clipe ao vivo no estúdio Boa Onda em Jacareí.

O pedido para fazer o clipe veio por parte do MC Ralph, que compôs a música e viu a necessidade de lançar música e clipe ao mesmo tempo.

O clipe “ao vivo” da banda se dissolve com imagens de danças e ações africanas, tentando passar a alma e a liberdade que a música traz. Com a direção de Júnior Guimarães e  a produção da TOE Filmes, o clipe abre um novo caminho “orgânico” do MC, onde a rima e o Dj se encontra com o baixo, bateria e guitarras distorcidas.

Interagir com as  sensações e emoções de uma comunidade  africana, foi a principal intenção da TOE Filmes, chegando ao resultado da emoção do compositor ser visível.

Ficha Técnica:

Direção : Júnior Guimarães

Roteiro: Júnior Guimarães

Fotografia: Cuca Rivani

Imagens: Priscila Brotero / Michel Renó

Edição: Júnior Guimarães

Produção: TOE Filmes

 

  • NO FUNDO DO BAÚ

É o primeiro trabalho solo do MC. Lançado em Cd e Lp (vinil). “No Fundo do Baú” foi produzido e mixado no Japão pelo produtor e DJ Marc-T. Traz samples de antigos clássicos que vão do soul ao reggae. Letras positivas e bem elaboradas, aliadas à irreverência do rap improvisado. Incluindo as músicas “MC Menestrel”, “De Volta pro Passado”; e o momento freestyle, que conta com a participação de Max B.O e Aori.

 

  • DÁ-ME LICENÇA

Este disco apresenta uma mistura mais madura entre o rap e a música jamaicana. “Dá-me licença” inseriu de vez Ralph na cena nacional. Com uma parceria consolidada com vários rappers e músicos; este álbum vai além dos samples e explora mais a musicalidade dos instrumentos. Nomes como “Emicida”, “Rael”, e “Criolo” estão presentes entre os convidados; legitimando a importância deste trabalho para o rap e para a música brasileira.

 

  • OS AFRO-RAPS

O projeto “Os afro-raps” é um resgate da raiz da música brasileira. Na sonoridade e na temática das letras, “Os afro-raps” possuem também uma forte ligação com o samba e os pontos de terreiro. Encontra-se também uma forte “brasilidade” neste projeto.  Além da questão musical, “Os afro-raps” também possuem a missão de quebrar preconceitos que rodeiam a espiritualidade afro-brasileira. Cada música é ligada à uma força da natureza, à um Orixá. “Dona Janaína” está ligada ao mar (Iemanjá), “Quem foi?” é inspirada na força do trovão (Xangô), “Okê Arô” se relaciona com as matas (Oxóssi); e assim seguem as demais faixas.

 

  • EP “LUA BRANCA E CÉU AZUL” 

Este EP apresenta um rap ainda mais ligado na poesia. Buscando referência em elementos não sonoros (como cores e paisagens). O disco incentiva, com naturalidade, manter o corpo e a mente sã neste ambiente urbano da cidade. A introdução “O Sol” lembra a herança de Bob Marley. “Dois de fevereiro” faz uma saudação aos tambores e ao povo do mar. Entre a força e a suavidade surge “Lua Branca e Céu Azul”.

 

  • OUVE QUEM QUER ESCUTAR

“Ouve quem quer escutar” tem muitas participações da nova safra do Hip Hop no Vale do Paraíba. Batidas, rimas, melodias; vivenciadas e produzidas na nossa região. Do afro-rap ao reggae, do gangsta rap ao samba de terreiro, do break ao afro beat. Este trabalho é fruto de uma nova fase na cena do interior paulista; onde artistas e público estão mais interligados e construindo um movimento sólido, original, e criativo.

A arte da capa ficou por conta do artista valeparaibano “Bruno Brito”; que através de cores e figuras geométricas conseguiu captar e expressar muito bem o espírito do disco. Um trabalho concreto e abstrato ao mesmo tempo. Ouve quem quer escutar.

 

  • COLETIVO

(Conjunto de indivíduos que formam uma unidade em relação a interesses, sentimentos ou ideais comuns)

Uma nova etapa se inicia. Após 15 anos de caminhada trabalhando com o RAP; montamos um time pra apresentar os sons em um novo formato.                                    

  • VÍDEOS

– “A África me fez” (vídeo clipe):

https://www.youtube.com/watch?v=Bbo-iWx6C_Y

– “Sintonia” (vídeo-clipe):

http://youtu.be/3gplVvijrOc

– “RAP” (web-vídeo):

https://www.youtube.com/watch?v=_XLHXdj-7OQ

– “Os Afro-raps” (vídeo-release):

http://www.youtube.com/watch?v=Hlah0eD3714

– Ao vivo com COLETIVO

http://youtu.be/Bc5Dg05bMqQ

– “Se bater de frente cai” (homenagem à Mulatu Astatke):

https://www.youtube.com/watch?v=WdsnUCCRHcE

– “Lua Branca e Céu Azul” (making of LP STUDIOS)

http://youtu.be/1qclDB83Quo

– “Samurai” (ao vivo para TV Cultura)

http://www.youtube.com/watch?v=lXjfQeq8uGs

– “Caminhada” (ao vivo para TV Aparecida)

http://www.youtube.com/watch?v=_rPbotHjs8M

– “Intergalático” (ao vivo no estúdio )

http://www.youtube.com/watch?v=8_lSutMuYr4

– Ao vivo show SESC

http://www.youtube.com/watch?v=EsCJNEiq7c4

 

Ralph Leite Junior

(12) 99777-5215 / (12) 3633-5527

                                                                                 giriasnacionais@hotmail.com

www.mcralphrap.blogspot.com

www.osafroraps.blogspot.com

João Paulo Porto
João Paulo Porto

Fundador do 1001 Videoclips e louco por The Smiths